Voltar
DOUTRINAS BÍBLICAS

A DOUTRINA DE DEUS

1. A EXISTÊNCIA DE DEUS

    A. Argumentos Naturalistas para a Existência de Deus.

        1. Cosmológico - Da palavra grega kosmos, “mundo” O universo é um efeito que exige uma causa ade-             quada, e a única causa suficiente é Deus - Salmos 19:1
        2. Teleológico - Da palavra grega telos, “fim” O universo não apenas prova a existência de um Criador,             mas indica a existência de um Arquiteto, um Planejador - Romanos 1:18-20.
            Há um propósito observável no universo que indica a existência de Deus como seu Planejador.
        3. Antropológico - Da palavra grega anthropos, “homem”. Já que o homem é um ser moral e intelectual,
            deve ter um Criador que também seja moral e inteligente - Atos 17:29.
            A natureza moral, os instintos religiosos, a consciência e a natureza emocional do homem argumen-             tam em favor da existência de Deus.
        4. Ontológico - Da palavra grega on, “existente, ser”. O homem tem a idéia inerente de um Ser perfeito.
            Esta idéia naturalmente inclui o conceito de existência, já que um ser, em tudo mais perfeito, que não             existisse, não seria tão perfeito quanto um ser perfeito que existisse.
            Portanto, visto que a idéia de existência está contida na idéia de um Ser perfeito, esse Ser perfeito             deve necessariamente existir.

    B. Argumentos Bíblicos para a Existência de Deus.

        Os autores bíblicos tanto presumem quanto defendem a existência de Deus.

2. OS ATRIBUTOS DE DEUS

    A. Definição.

        Um atributo é uma propriedade intrínseca ao seu sujeito, pela qual ele pode ser distinguido ou identifi-         cado.

    B. Classificações.

        A maioria dos sistemas de classificação dos atributos baseia-se no fato de que alguns deles pertencem
        exclusivamente a Deus – infinitude - e outros se encontram, de maneira limitada e num sentido relativo,
        também no homem (e.g., amor); assim, a terminologia dessas classificações inclui incomunicáveis e
        comunicáveis; absolutos e relativos; imanentes e transitivos; constitucionais e pessoais.

    C. Descrição.

        1. Simplicidade - Deus é incomplexo, não composto, indivisível. – João 4:24
        2. Unidade - Deus é um. – Deuteronômio 6:4
        3. Infinitude - Deus não tem término ou fim. - 1Reis 8:27; Atos 17:24.
        4. Eternidade - Deus não está sujeito à sucessão do tempo. - Gênesis 21:33; Salmos 90:2
        5. Imutabilidade - Deus é imutável em natureza e prática. - Tiago 1:17
        6. Onipresença - Deus está em todo lugar - Salmo 139:7-12.
        7. Soberania - Deus é o governante supremo do universo. – Efésios 1
        8. Onisciência - Deus conhece todas as coisas, reais e possíveis - Mateus 11:21.
        9. Onipotência. - Deus possui todo o poder - Apocalipse 19:6.
        10. Justiça - Eqüidade moral, imparcialidade no trato com Suas criaturas - Atos 17:31.
        11. Amor - A busca divina do bem maior das criaturas na manifestação de Sua vontade - Efésios 2:4-5.
        12. Verdade - Concordância e coerência com tudo que é representado pelo próprio Deus - João 14:6.
        13. Liberdade - Independência divina de Suas criaturas - Isaías 40:13-14.
        14. Santidade - Retidão moral - 1João 1:5.

3. OS NOMES DE DEUS

    A. Nomes Primários do Antigo Testamento:

        1. Javé (Yahweh) - O Auto-Existente - Êxodo 3:14, “Eu Sou o Que Sou”.
            É o nome do relacionamento entre o verdadeiro Deus e Seu povo, e, quando usado, enfatiza a santi-             dade de Deus, o Seu ódio pelo pecado e amor aos pecadores.
        2. Elohim. - O Forte
            É uma palavra usada para o verdadeiro Deus e deuses pagãos.
            É um substantivo plural, o chamado plural majestático.
            O plural permite a revelação subseqüente da Trindade no Novo Testamento, mas não ensina a Trin-             dade propriamente dita.
        3. Adonai - Senhor, Mestre
            Usado para homens e Deus, e indica o relacionamento senhor-servo.

    B. Nomes Compostos do Antigo Testamento:

        1. Com El.
            a. El Elyon - Altíssimo - O mais forte dos fortes - Isaías 14:13-14.
            b. El Roi - O Forte que Vê - Gênesis 16:13.
            c. El Shaddai - Deus Todo-Poderoso - Gênesis 17:1-20
            d. El Olam - O eterno Deus - Isaías 40:28
        2. Com Javé
            a. Javé Jireh - O Senhor proverá - Gênesis 22:13-14
            b. Javé Nissi - O Senhor é minha bandeira - Êxodo 17:15
            c. Javé Shalom - O Senhor é paz - Juízes 6:24.
            d. Javé Sabbaoth - O Senhor dos Exércitos - 1Samuel 1:3
            e. Javé Maccadeshkem - O Senhor que te santifica - Êxodo 31:13
            f. Javé Raah - O Senhor é meu Pastor – Salmos 23:1
            g. Javé Tsidkenu - O Senhor justiça nossa - Jeremias 23:6
            h. Javé El Gmolah - O Senhor Deus da recompensa - Jeremias 51:56
            i. Javé Nakeh - O Senhor que fere - Ezequiel 7:9
            j. Javé Shammah - O Senhor que está presente - Ezequiel 48:35.

4. O DECRETO DE DEUS

    A. Definição.

        O decreto de Deus é o Seu eterno propósito, segundo o conselho de Sua própria vontade, pelo qual,         para Sua própria glória, Ele preordenou tudo que acontece.

    B. Termos Relacionados.

        1. Onisciência. Conhecimento de todas as coisas, reais ou possíveis.
        2. Presciência. Conhecimento prévio de todas as coisas incluídas no curso real dos eventos.
        3. Predestinação. A determinação prévia do destino dos eleitos.
        4. Retribuição. Punição merecida dos ímpios.
        5. Eleição. A escolha de um povo por Deus para Si mesmo.
        6. Preterição. A omissão dos não-eleitos.

    C. A Natureza do Decreto.

        1. Há apenas um decreto, que envolve tudo, embora no desenrolar dos acontecimentos haja seqüência
            constante. Há, também, uma distinção conveniente entre decretos permissivo e diretivo.
        2. O decreto é todo-abrangente - Efésios 1:11
            Embora Deus não tenha o mesmo relacionamento com todas as coisas nele contidas.
        3. Nem todos os desejos de Deus estão necessariamente incorporados ao decreto.
        4. Tudo que Deus decretou tem como fim último a Sua glória.
        5. O mal não se torna bem simplesmente pelo fato de o pecado ter sido incluído como parte do propó-             sito de Deus.

    D. Objeções ao Decreto.

        1. Não é coerente com a liberdade humana.
            Todavia, todos os meios, como oração e testemunho, por exemplo, são parte do plano de Deus.
        2. O decreto torna Deus autor do pecado.
            Embora Deus tenha incluído o pecado em Seu plano, Ele nunca é responsável pela prática do pecado.
        3. A doutrina do decreto é equivalente ao fatalismo.
            O fatalismo enfatiza apenas os fins e faz do acaso, não de Deus, o poder governante.

5. A TRINDADE

    A. Definição.

        Há apenas um Deus, mas, na unidade da Divindade, há três pessoas eternas e iguais entre si, identi-         cas em substância mas distintas em existência (ou subsistência).

    B. Prova.

        1. Indícios no Antigo Testamento.
            a - O Antigo Testamento não revela a Trindade mas dá lugar e indícios para uma revelação posterior.
            b - Passagens que usam a palavra plural Elohim e pronomes plurais para se referirem a Deus.- Gêne-                  sis 1:1, 26; Isaías 6:8.
            c - Passagens que falam do Anjo do Senhor - Gênesis 22:11, 15-16.
        2. Confirmações no Novo Testamento.
            a - No Novo Testamento há revelação clara de que Pai, Filho e Espírito são Deus; assim, uma Triuni-                  dade ou Trindade (Nenhuma das duas palavras está na Bíblia).
            b - O Pai é Deus - João 6:27; Efésios 4:6.
            c - Jesus Cristo é Deus - Hebreus 1:8.
            d - O Espírito é Deus - Atos 5:3-4.
            e - As três pessoas são igualmente associadas e apresentadas como um só ser. - Mateus 28:19, “no-                  me”; 2Coríntios 13:13.

6. O PAI

    A. Os Relacionamentos do Pai.

        1. Pai de toda a criação - Atos 17:29.
        2. Pai da nação de Israel - Êxodo 4:22
        3. Pai do Senhor Jesus Cristo - Mateus 3:17
        4. Pai dos crentes em Cristo - Colossenses 3:26.

    B. As Obras Específicas do Pai.

        1. Autor do decreto - Salmos 2:7-9.
        2. Autor da eleição - Efésios 1:3-6.
        3. Comissionador e Enviador do Filho - João 3:16
        4. Disciplinador de Seus filhos - Hebreus 12:9.